Arquivos da categoria: REFLEXÕES

LUCUMI – ANTIGA TERRA YORUBÁ

Introdução

  1. A seguir falaremos um pouco da origem do termo LUCUMI, sua origem, localização, cultura e religião. Abordaremos desde ÁFRICA até o Novo Mundo, como se deu sua preservação e como ainda é usado e empregado no ocidente por todos da Tradição YORUBÁ. Veremos alguns resultados de anos de pesquisas de diversos cientistas sobre o tema.

Origem e Preservação

Muito se tem especulado sobre as origens do término LUCUMI. Lydia Cabrera disse a respeito: “LUCUMI é o nome que se dá em Cuba, aos YORUBÁS, que ocupam a parte OCIDENTAL do sul da NIGÉRIA, com as províncias de ABEOKUTÁ, LAGOS, YEBÚ, ONDO” (1).

VERDADES OCULTAS E ESQUECIDAS

 

Quando fazemos referência a OSHA-IFÁ, não devemos ignorar que ambas expressões religiosas são produtos da LEI DE CAUSA E EFEITO.

Ao afirmarmos isso, tomamos o fato de que ao revelar as situações que se anunciam para o consulente, também devemos indicar o que se deve fazer para evitar que se suceda o fato anunciado.

Muitas vezes para isso não se requer oferendas e sacrifícios e sim mudar um modo de vida, realizando novas disposições e outras atividades ou ações que levem ao desaparecimento desse mal que perturba a pessoa.

OLOKUN – AGANA ERI

OLOKUN é o ORIXÁ da procriação, é a deidade das profundidades oceânicas, onde ODUDUWÁ o acorrentou. Dentro de OLOKUN habitam dois espíritos: SOMÚ GAGÁ e AKARÓ. AKARÓ é o espírito da morte, seus diloguns (búzios) não falam, porque tem a boca fechada.

OLOKUN é o ORIXÁ do oceano, representa o mar em seu estado mais temido, pois é a profundidade cheia de segredos. É andrógino, metade homem, metade peixe. Possui um caráter violento, misterioso e compulsivo.

PREVISÕES PARA O ANO DE 2017 DA FAMÍLIA IFÁ NI L’ÓRUN

 

Este cerimonial foi realizado no Ilé Ifá Ni L’Órun nas primeiras horas do primeiro dia do ano de 2017.

Vinte e cinco Babalawós testemunharam o momento em que Odú foi revelado juntamente com a profecia através do sagrado oráculo de Ifá.

Diego Campos Awó Ni Orunmilá Irete Kalu, sendo este o Awó mais novo presente no momento, e foi responsável por atefar o Odú que vai reger o ano 2017.

Odú Toyale: Irete Untelu (Irete Ejiogbe)

Primeiro testemunho: Ogbe Bara

Segundo testemunho: Ogbe Yono (Ogbe Ogunda)

Profecia: Iré Nibuyoko Ayé Oyalé Tesi Lesi Orunmilá, Onishe Ko.

Um bem de estabilidade material firme e seguro que nos proporcionará Orunmilá.

Orishás que governarão o ano, Oshósi e Yemanjá.

A REGRA ARARÁ

O Reino de DAHOMEY se estendeu pelos territórios compreendidos entre os rios VOLTA e o DELTA de NÍGER, ao norte da costa do GOLFO de GUINÉ na ÁFRICA centro-ocidental.

Nas primeiras décadas do século XVIII haviam consolidado seu estado e domínio através da guerra e conquistas de reinos menores como SAVI, WHIDDAH, ADRÁ ou ARARÁ. Esses lugares e seus postos se converteram em uma das zonas mais importantes da exploração de mão de obra escrava.

A POBREZA ESPIRITUAL DE UM SACERDOTE

A hierarquia de IFÁ (espiritual) põe cada sacerdote no patamar que merece por seus méritos e feitos.
 
Diante desta afirmação, as escrituras sagradas nos deixam claro que, o universo espiritual atua de forma justa e imparcial na avaliação de cada sacerdote na Terra. Ou seja, o merecimento, sem dúvida, definirá uma posição acima ou abaixo que um religioso ocupará dentro do contexto espiritual onde se desenvolva.
 
Seguindo o mesmo raciocínio baseado no ponto de vista de IFÁ, seria correto afirmar que ninguém jamais, JAMAIS ocuparia uma posição elevada dentro de nossa religião se esta não tenha sido conquistada através dos próprios méritos DIGNAMENTE.

SUPERAÇÃO

Vivemos em uma sociedade onde determinados conceitos são formados através de padrões estabelecidos.
 
Muitos dos que não se enquadram nesses padrões, acabam tornando-se vítimas de discriminação social, racial, religiosa, orientação sexual, nacionalidade e assim por diante.

SHANGÓ PROCLAMA COM SUA VOZ: TU SERÁS FELIZ HOJE! (SÀNGÓ LO WI MÃ YO TE TE TE)

 

Mais de trezentas pessoas, entre elas BABALAWÓS, BABALORISHÁS, YALORISHÁS, AWÓ FAKANS, APETEBIS E ALEYOS, se reuniram em um grande evento religioso em homenagem ao ORISHÁ ONI SHANGÓ, ORISHÁ ALAGBATOBI do grande maestro OLUWÓ SIWAJÚ Evandro Otura Aira IFÁ NI L’ÓRUN.

OLÓFIN (ODU) E OBARA KASIKÁ

No início da criação de IFÁ, se preparava o saber e conhecimento que formariam a mente humana. OLÓFIN junto a ODU (IGBA ODU) entregou o poder astral a cada um dos 256 Odús de IFÁ, determinando que cada Odú de acordo com sua essência (virtudes e defeitos) transmitissem a seus filhos na terra a força e ASHÉ capaz de ajudar seus filhos a resolverem seus conflitos na terra por si só.

Entre eles (256 Odús) havia um que se destacava por sua inteligência graças a virtude transmitida de seu superior. O mesmo era vaidoso, tinha um grande desejo de mostrar suas habilidades a fim de ser reconhecido e ser superior a OLÓFIN e os demais Odús. Este se chamava OBARA KASIKÁ ASHÉ TOLUWÁ OLÓFIN que era por mandado de OLÓFIN, o responsável por realizar os preparativos de cada Odú que baixariam a terra, que levariam com eles as virtudes, os defeitos, as dificuldades, as resoluções de cada um dos seres humanos que viveriam na Terra.

O SACERDÓCIO DE IFÁ, O SACERDÓCIO DE ORISHÁ: UNIVERSOS ESPIRITUAIS DISTINTOS

 

As razões para esta diferença são óbvias.

Um BABALAWÓ nasce da divindade ODU (responsável pela descida dos Odús à Terra, etc.) através do ventre espiritual do seu OLUWÓ e OJUGBONA (iniciadores).

Um YAWÓ (consagrado em ORISHÁ) nasce do respectivo ORISHÁ ao qual foi iniciado, através do ventre espiritual de seu BABALORISHÁ ou YALORISHÁ.