Arquivos mensais: fevereiro 2015

OLÓFIN UM ASSASSINO? OU UM SALVADOR?

PATAKI:

Havia um tempo em que as aves começaram a levantar calúnia sobre a conduta de OLÓFIN. Diziam que OLÓFIN era um assassino, um desrespeitoso, um imoral, pois sempre realizava sacrifícios.

Então se juntaram todas as aves de rapina, o gavião, o falcão, o abutre, o carcará, a coruja, etc. Fizeram uma reunião para não mais visitarem a OLÓFIN, porque diziam que havia muitos crimes na porta da casa dele, e a porta de sua casa estava sempre suja de sangue.

Todas as aves de rapina foram a uma encruzilhada entregar uma oferenda para ESHÚ e disseram a este que espiasse para ver o que OLÓFIN estava fazendo.

E assim o fez. ESHÚ viu uma poça de sangue atrás da porta. Foi até a esquina e disse a seus amigos o que tinha visto e por este motivo seguiram falando mal da conduta de OLÓFIN.

YEMANJÁ E INLÉ SE APAIXONAM

Yemayá Okuté

Nesse tempo houve a separação da terra e do mar. Nesse momento as ondas começaram a fazer como se fosse engolir a terra. O mar, desde então se manteve irritado com a terra. Esta é a fúria de YEMANJÁ.

YEMANJÁ estava realmente feliz de estar no fundo do mar. Finalmente teve tempo para ela fazer o que ela quisesse fazer, que era a vida em paz, algo que havia se esquecido e agora recuperado com os filhos que executam no reino suas funções.

BABALU AYÉ SALVOU O FILHO DE OBATALÁ

image010

Para a terra MINA POPO OBATALÁ mandou seu filho ensinar sua religião, mas antes de partir, este não foi consultar-se com ORUNMILÁ. Ao chegar ali teve grandes dificuldades e por saber o que deveria de fazer para vencê-las, teve que ir se refugiar num pântano e ali se encontrou com ELEGUÁ que mandou seu recado para OBATALÁ, aconselhando-o que fosse consultar com IFÁ.

OBATALÁ foi consultar-se com IFÁ e este lhe mandou fazer sacrifícios, mas o que ele fez foi somente KOFIBORI e deu comida a OSHÚN.

Quando OBATALÁ chegou à terra MINA POPO, viu ali que o que se fazia era EPÓ (dendê) e todo tipo de gorduras de odores fortes que ele não podia suportar, por isso teve que ir dali e regressou à casa de ORUNMILÁ que lhe fez alguns sacrifícios.

A IMPORTÂNCIA DE IFÁ EM NOSSAS VIDAS

Desde que OLODUMARÉ criou o AYÉ, ORUNMILÁ tem sido o testemunho de toda sua criação, e é por isso que ele leva o título de ELERÌI IPIN.

Sua condição de testemunho lhe dá a possibilidade de conhecer a essência de cada elemento da existência, tanto que em ORÚN como no próprio AYÉ, ORUNMILÁ não só testemunhou como também registrou a cada ser que vinha ao AYÉ, desde o momento que cada ser tomava consciência de sua existência e então iam visitar a AJALÁ MOPÍN para receber ORI e desta forma ingressar no mundo material.

OBATALÁ, O OLOGBO E A ETU

O gato e a galinha de Angola

O OLOGBO (o gato) era um comerciante que tinha muitas condições, criados e criadas, que eram as ETU (galinhas D’angola). Um dia o OLOGBO começou a castigar as suas criadas e surrou uma delas e a ETU saiu voando e se refugiou na casa de OBATALÁ. Este estava lavando o rosto com água e sabão e salpicou com a espuma a galinha que era negra e ficou com a plumagem pintada de manchas brancas.

XANGÔ ENTREGA O GOVERNO DE SEU POVO A ORUNMILÁ

orula-aza-1703114

Nesse caminho, ORUNMILÁ ia para o povoado de OYÉ, mas no caminho viu alguns viajantes que iam na mesma direção que ele, onde ORUNMILÁ atrasou o passo, dando tempo assim para que eles fossem na frente dele.

Quando os viajantes chegaram na entrada do povoado, se ouviu o ruído de um trovão e o resplendor de um raio e os viajantes que iam à frente de ORUNMILÁ a uma certa distância, ficaram assustados.

ORUNMILÁ SALVOU O IYAWÓ

yawo

Era um tempo em que os sacerdotes de ORISHÁS (IYALORISHÁS e BABALORISHÁS) da Terra não estavam cumprindo com as REGRAS de OLÓFIN, atendendo as pessoas de má vontade por seus próprios interesses e fazendo cerimônias de forma incorreta.

Um dia, estava-se celebrando uma feitura de uma DEIDADE na Terra e ESHÚ que está em tudo, viu que estavam tratando de raspar uma DEIDADE que não era a que correspondia com a pessoa em questão, já que não haviam consultado ORUNMILÁ para saber quem era seu ORISHÁ TUTELAR. Assim, ESHÚ foi à casa de OLÓFIN e falou com ele. OLÓFIN ao escutar isto, chamou a OGUN e lhe deu instruções precisas de matar todo aquele que estivesse envolto com essa atrocidade.

CAMINHO PARA A FELICIDADE

Aqueles que acreditam em Olodumaré (Deus) compreendem que em seus atos positivos estará sua maior manifestação. Disse Ifá; Quem faz bem aos montes, recebe aos montes.

Aqueles que acreditam que basta suplicar a Olodumaré ignorando seus atos na Terra e seu destino o terá somente para secar suas lágrimas. (Ofun Tempola)
Quem semeia discórdias, será perseguido por discórdias…
Quem semeia o bem a felicidade o alcançará…

O CAÇADOR E O BARQUEIRO

Inlé e Oshósi

Havia um caçador de elefantes que tinha muitas perdas porque ainda buscava ferir de morte a esses animais. Estes em sua fuga se refugiavam em um emaranhado de árvores que estava dividida por um rio muito profundo que esses animais saltavam e o caçador não podia chegar até ali.

Por causa disso perdia todas suas presas. Já desesperado, foi à casa de ORUNMILÁ a registrar-se com IFÁ. ORUNMILÁ lhe disse que ele tinha muitas perdas e que tinha que fazer sacrifícios que IFÁ estava determinando e com isso poderia recuperar todo o perdido.

OS VENTOS DE OYÁ

10426748_10204113044331013_1876593403797451177_n

PATAKI

OYÁ havia baixado ao mundo em forma de redemoinho e vinha arrasando com todos os lugares onde se haviam ofendido os ORISHÁS e ia levando todos os tesouros dos lugares por onde ia passando.

Enquanto isso, ELEGUÁ ia passando pela casa do AWÓ de AKAPO e lhe perguntou como iam as coisas e este lhe disse que tudo ia muito bem, mas que o único problema que tinha é que suas finanças não andavam muito bem, devido as pessoas que não tinham muitas condições naquele lugar.