OXÓSSI

Oshosi 1

OXÓSSI é um ORIXÁ do grupo dos ORIXÁS ODÉ (espírito de caçador), comumente chamados de Os Guerreiros. Este grupo é formado por ELEGBÁ (ELEGUÁ), OGUN E OZUN. É um dos primeiros ORIXÁS que se recebe qualquer indivíduo. ORIXÁ caçador por excelência. Relaciona-se com cárcere (prisão), com a justiça e com os perseguidos. É o verdadeiro justiceiro. É o pensamento que é capaz de se transportar a qualquer lugar ou a qualquer tempo e capturar ou pegar algo. Está simbolizado pelas armas a partir do arco e flecha e está relacionado especialmente com OGUN. Considera-se OXÓSSI um mago. Seu nome provém do Yorubá OSÓSSÍ (OSÓ: bruxo SÍSÉ: fazer trabalho SÍ: para), literalmente “O que trabalha com bruxaria”.

Foi Rei de Ketu. OXÓSSI vive com OGUN, a não ser que se receba como ORIXÁ OLORÍ, ou seja, de ORIXÁ de cabeça (feitura de santo). Dono das matas e das caças, seu otá (pedra) vem desse lugar.

Sua cor é o azul e seus fios de conta se confeccionam com  7 azuis escuros e 7 douradas (cristal) alternadamente. Se saúda: OSHÓSI ODÉ MATA!

OXÓSSI é o melhor dos caçadores e suas flechas não falham nunca. Contudo, havia um tempo em que nunca podia chegar até as suas presas porque a espessura da mata lhe impedia. Desesperado, foi se consultar com ORUNMILÁ, quem lhe aconselhou a fazer algumas oferendas e sacrifícios. OXÓSSI e OGUN eram inimigos porque EXÚ havia semeado a discórdia entre eles, mas OGUN tinha um problema similar. Nada nem ninguém eram capazes de abrir caminhos nas matas com maior rapidez que ele, porém nunca conseguia matar suas presas e elas acabavam escapando. Também foi se consultar com ORUNMILÁ e recebeu instruções de fazer também algumas oferendas e sacrifícios. Foi assim que ambos rivais foram até a mata fazer os seus sacrifícios. Sem se dar conta, OXÓSSI deixou cair suas oferendas em cima de OGUN, que estava recostado em um tronco.

Ogun y Oshósi

Tiveram uma forte discussão, mas OXÓSSI se desculpou e então se sentaram e começaram a conversar e contar os seus problemas, um para o outro. Enquanto falavam, ao longe passava um veado. Rápido com o um raio, OXÓSSI se ergueu e atirou uma flecha que atravessou a garganta do animal deixando-o morto. “Viu?” disse OXÓSSI, “eu não posso pegar”. Então OGUN pegou seu facão e em menos tempo do que canta um galo, abriu uma trilha até o veado. Muito contentes, chegaram até o animal e compartilharam o alimento. Desde esse momento combinaram que era necessário um do outro e que separados não eram ninguém, então fizeram um pacto perante ORUNMILÁ. É por isso que OXÓSSI, o caçador, sempre anda com OGUN, o dono dos ferros.

Ifá Ni L’Órun
Gostou? Que bom, compartilhe com seus amigos.