IFÁ E A INTERPRETAÇÃO

Opele

Em todas as religiões se conhece a grandiosidade espiritual de um líder religioso pelo grau de capacidade de interpretação do culto que professa. Em nossa religião, entenderíamos então que o mais preparado e espiritualizado seria aquele que atingisse a plenitude das mensagens reais dos Orixás e Orunmilá dada através do oraculo, baseado na analogia das escrituras de Ifá (patakis ODUS) isso requer dom, tempo e estudo.

Quero ressaltar aos queridos irmãos que uma interpretação confusa, ou errada da palavra de Orunmilá seria não repassar a salvação enviada por Ifá através do oráculo às pessoas que de alguma forma buscam ajuda e auxilio para sanar as suas dificuldades com os recursos de Ifá.

Ifá acima de tudo nos orienta a seguir pelo melhor caminho, caminho esse que nos leva ao êxito de nossas batalhas diárias. E para vencer nossos conflitos cotidianos devemos estar bem orientados de maneira que tenhamos a sabedoria necessária para enfrentar nossos obstáculos e assim poder reconhecer a força e debilidade de nossos adversários, conhecer profundamente o campo onde atuamos e principalmente ter ciência de nossos limites.

Entretanto, somente com orientação de Ifá, bem interpretada por sacerdotes competentes, alcançamos a sabedoria essencial que nos capacita para sairmos vitoriosos de nossos propósitos. Ebó ou qualquer ritual, não surte efeito se não estamos bem posicionados diante da vida, é como um caçador mal orientado sair para caçar no meio de uma cidade metrópole, e desejar sair bem sucedido de sua jornada. Seria lutar em vão! Quantas vezes fracassamos em nossas empreitadas por não termos as orientações necessárias para atuarmos? Quantas tentativas frustradas, amargamos durante a vida por não saber o que fazer nos momentos cruciais? Quantos ebós, cerimônias, rituais realizamos e temos a sensação de não sairmos do lugar? Por ex: qual ebó seria necessário para o caçador sair vitorioso?  No caso dele a orientação. Por esse motivo uma interpretação correta e responsável do sacerdote através do oraculo em um momento preciso, salva muitas pessoas do abismo.

Já que estamos falando de interpretação, vai uma interpretação real do odu Otura Aira, para aqueles que buscam a qualquer custo distorcer o que realmente expressa o odú, na tentativa talvez minimizar o conceito real histórico do odú (palavra sagrada) por ignorância, falta de conhecimento ou má fé.

Tenho como odú de Ifá Otura Aira (Sentenciado por Olófin), onde Orunmilá planta sua bandeira, ao lado da do rei, com a certeza de possuir os atributos necessários para ser reconhecido como Rei/Adivinho. Ao cravar sua bandeira de rei, foi surpreendido pela resistência imposta pelos soberanos adversários alegando os mesmos que só um rei teria o direito de ter uma bandeira naquele povo, onde Orunmilá foi submetido a uma prova, que o avaliasse com adivinho de verdade, onde ficou comprovada sua sabedoria, e conhecimento de adivinho, e  consequentemente de ter  condições reais de ser Rei e de ocupar a posição de soberania na religião e naquelas terras, autorizando sua permanência e sua bandeira de Rei prevaleceu, por capacidade e competência de um legitimo Awó adivinho.

A narrativa acima prova realisticamente que o sacerdote desse signo nasceu para ocupar uma grande posição religiosa na terra onde se desenvolve, se destacando entre os opositores e, mesmo que seus adversários tentem impedir sua permanência, alegando falta de base, no futuro serão obrigados a reconhecê-lo diante de todos por seus feitos provados na sociedade, e na religião (fato).

Mais um ponto narrado na escritura:

No odú Otura Aira é onde Ifá lhe dá indicação de se salvar e salvar a humanidade, sendo esta sua missão na vida e no mundo. Mais uma vez dentro, do próprio odú, encontramos provas de  que o sacerdote desse signo nasceu  com dom e missão de salvar a humanidade de seus obstáculos e perigos através de Ifá.

Existe um caminho em Otura Aira onde acredito eu seja um dos mais distorcidos por aqueles que somente passaram pelo Ibgodú, mas são incapazes de pensar, os condenando por sua própria falta de intelecto a nunca se converter em um Awó de verdade.

O caminho e interpretação real conta que: Otura Aira divide um elefante encontrado por ele com todos os soldados do reino vizinho, e os mesmos seguem com Otura Aira por terem eles a consciência que ao lado de Otura Aira seriam muito mais recompensados, que em suas vidas, e caminhos atuais, já que o mesmo tinha muito mais a oferecer em comparação às terras onde eles se desenvolviam.

Esse caminho prescreve um homem que vence a concorrência com seus adversários, fala de destaque próprio, onde muitas vezes será seguido por outros discípulos por  ter muito a oferecer. Diferente do que entendem os maus adivinhos, Otura Aira divide com os demais sua sorte, ou seja, o elefante encontrado. O termo roubar vem de se destacar atraindo para si toda atenção que poderia ser dividida com o concorrente, e não aqueles que caminham com o mesmo para os objetivos em comum. Quem nunca ouviu dizer: fulano atraiu toda atenção para ele? Imaginem que abra um supermercado como as Sendas, ao lado do mercadinho de seu bairro? O que aconteceria com o mercadinho?  Isso é oque prescreve realisticamente o odú, um ser capacitado com um Grande Ori capaz de se destacar e atrair para ele toda a atenção por onde caminha. E isso nada tem haver com a sorte espiritual como muitos personagens debilitados de saber se propõem a dizer, confundindo a cabeça dos carentes de conhecimento, e se aproveitando da ingenuidade dos mesmos.

Peço a alguns irmãos que tenham responsabilidade nas interpretações, já que sabemos que a salvação muitas vezes vai se apoiar em uma orientação precisa, do que necessariamente um ebó. E tenham a consciência que Olófin (Deus) tudo vê;  se distorcermos o caminho de um filho carente de conhecimento, por nossa vontade, é enganar a Deus, e ele mais cedo ou mais tarde cobrara as contas dos enganos que seus filhos foram submetidos pelos que teriam a obrigação religiosa de levar a luz.

Eu como sacerdote dessa sagrada religião entendo que o compromisso maior DE UM SACERDOTE, é com o próximo. E como disse anteriormente desejo caminhar bem, fazer o bem e me esforçar o máximo como um líder espiritual para auxiliar os filhos de Deus em sua caminhada terrestre, já que fui escolhido, para que Olófin abençoe sempre minha vida, família, meus filhos, afilhados, como tem feito todos os dias, e todos os anos de minha vida. Só peço a Orunmilá e Shangó que eu tenha um fim honrado nesse mundo, com a certeza da missão cumprida que é realmente o que vale de verdade nesse mundo.

Sou um homem religioso há mais de 25 anos, não somente em Ifá. Prezo pela união familiar no lar e religiosa, tenho três filhos e um casamento sólido há mais de 17 anos e, graças a Olófin, Orunmilá e os Orishás, minha família de sangue e religiosa é abençoada todos os dias.

Quero esclarecer que minha intenção não foi de relatar minhas qualidades pessoais, e sim de esclarecer o odú como é originalmente descrito nos tratados e quando prescrevo o odú Otura Aira em minha dissertação o faço de maneira imparcial, já que sabemos que depende de nós para que nosso destino se conclua com êxito. Espero sinceramente fazer sempre as escolhas corretas dentro do meu destino para poder estar sempre à altura do odú que Olófin me sentenciou.

padrinho

Evandro Luis de Carvalho – Awó Ni Orunmilá Otura Aira

Gostou? Que bom, compartilhe com seus amigos.