AS SOCIEDADES CULTURAIS (OS CABILDOS)

288_1284483540_mayo

Em CUBA, como no BRASIL, os YORUBÁS se encontraram com uma afortunada confluência de fatores que lhes permitiram conservar muito de sua cultura. Em CUBA uma instituição convergiu inadvertidamente para fazer isso possível: os Clubes de Espanhóis.

Em CUBA, os colonizadores espanhóis não constituíram um grupo homogêneo; provinham de GALÍCIA, VIZCAYA, ASTURIAS, ANDALUZIA e das ILHAS CANÁRIAS. Falavam GALEGO, CATALÃO e VASCO, além do ESPANHOL OFICIAL DE CASTILLA. Cada um desses grupos formou seu próprio clube social e sua sociedade de ajuda mútua de acordo com suas características étnicas, regionais e linguísticas.

A diferença de seus colonizadores anglófonos (de fala inglesa), os espanhóis e os portugueses que possuíam escravos, promoviam o desenvolvimento de facções étnicas entre seus escravos, pensando que desta maneira estariam divididos e não se uniriam contra eles. Sob os auspícios da Igreja e supostamente para evangelizar os africanos, se permitia aos escravos e negros livres, organizar seus próprios clubes sociais e suas sociedades mutualistas. Estas sociedades chamadas “CABILDOS” eram imitações dos clubes espanhóis e também se organizavam conforme as características étnicas, regionais e linguística de seus membros.

Cabildo_Omitoke_10

Existem provas documentais de que em 1568 já havia clubes africanos chamados CABILDOS em HAVANA. Sabe-se que alguns desses CABILDOS seguiram funcionando na CUBA revolucionária. Logo, os CABILDOS cumpriam a função singular de lugares onde se preservavam as “Velhas Tradições” da ÁFRICA.

A função religiosa dos CABILDOS como depositários das crenças religiosas dos africanos, passou a ser finalmente a característica dominante desses clubes. Apesar de muitas tradições africanas distintas se preservarem nos CABILDOS, provavelmente a religião que mais se beneficiou foi a YORUBÁ-LUKUMI. Três grandes tradições, cada uma relacionada com determinados grupos linguísticos, tem sobrevivido até o momento entre os afro-cubanos:

As tradições de PALO MONTE e de PALO MAYOMBE, do povo CONGO falante da língua BANTU, as sociedades ABAKUÁ-ÑÁÑIGO dos CARABALI, falantes da língua EFIK e a religião LUKUMI ou REGRA DE OSHA DOS LUKUMIS, que falam o YORUBÁ.

Outros grupos menores como o FON (chamado ARARÁ em CUBA ou DJEDJE no BRASIL), também puderam conservar seus costumes. Supostamente, os LUKUMIS se adaptaram melhor ao ambiente cubano.

negrodance

 

 

Ifá Ni L’Órun

 

Gostou? Que bom, compartilhe com seus amigos.