ORIXÁ OKE

OKE é um ORIXÁ onde começa a firmeza de nossa consagração religiosa, por isso, precisamente ele é representando por um pedaço de rocha ou montanha, por ser considerado o mais forte e firme através dos ODUN (anos) e, por isso é que adoramos e rogamos a este ORIXÁ por nossa estadia e firmeza nessa Terra.

Os IWOROS (olorixás) sabem para que se usa OKE em nossa consagração, quer dizer, seu OTÁ (pedra) e também o que se oferece a ele.

Ele é o guardião de todos os ORIXÁS e o pilar de OBATALÁ e OLÓFIN. Com ele se faz todos os afoxés (pós) e se maceram as ervas que se utilizam para realizar o OMIERÓ (ervas quinadas) da consagração de ORIXÁ.

É um ORIXÁ de fundamento que não se raspa. É inseparável de OBATALÁ, se oferece o mesmo que para este e fala também por sua boca.

É expressão dos mistérios de OLÓFIN, que vão desde uma erva, até questões que vão muito mais além. Coloca-se OKE junto a OBATALÁ dentro da sopeira e forrado de algodão.

Os afilhados de OMÍ ZAYA (negra YORUBÁ cujo nome é AURÉLIA MORA) o adoram, todavia no chão, debaixo da sopeira de OBATALÁ, segundo o ensinou ADYAÍ LATUÁN, também YORUBÁ.

OKÉ é um ORIXÁ tão importante que representa as cabeças virgens do mundo, aqueles que ainda não são consagrados em ORIXÁS e é o único OTÁ que se utiliza para preparar o AXÉ que leva o iniciado em seu ELEDÁ.

É o encarregado de criar uma das maiores energias dentro das cerimônias, utilizado única e exclusivamente pelo OJUGBONA. Por isso, se diz que depois que um OLORIXÁ ojugboneia seu primeiro ORIXÁ, OKE vive fora de seu OBATALÁ.

Maferefun OKE

 

Ifá Ni L’Órun

Gostou? Que bom, compartilhe com seus amigos.